Viagens passadas, presentes e futuras

O que fazer em Santiago - Roteiro de 4 dias

Conforme falamos no post anterior (leia Aqui!), nos 6 dias que passamos em Santiago, passeamos pela cidade, fizemos a famosa dobradinha Viña del Mar e Valparaíso e ainda conhecemos as estações de esqui de Valle Nevado e Farellones.

Em princípio, havíamos planejado dedicar apenas 3 dias a Santiago, porém como desistimos de passar um segundo dia na estação de esqui, acabamos ficando com 4 dias inteiros para explorar a cidade e não nos arrependemos.

De fato, é possível conhecer as principais atrações da cidade em 3 dias inteiros, mas se você tiver mais tempo você pode se dar ao luxo de ver as coisas com mais calma, de ir a restaurantes fora do eixo turístico, de caminhar despretensiosamente pelos bairros e de dar uma volta no shopping sem pressa... :)

Santiago é uma cidade bem organizada para os padrões da América Latina e, além de poder fazer muitas coisas a pé (principalmente no centro) o transporte público da capital chilena é eficiente e os táxis não são caros, o que permite que você se desloque sem problemas pelos principais pontos turísticos. O metrô tem preços diferenciados dependendo do horário. Na hora do rush é mais caro, em horários alternativos você paga menos para andar no metrô.

Dentre as principais atrações que visitamos em Santiago, destacamos as seguintes:


  • Palácio de La Moneda:
Construído para ser a casa da moeda nos tempos de colônia, o Palácio de la Moneda é hoje a sede da Presidência da República Chilena. De fachada simples, porém elegante, o Palácio fica bem pertinho da estação de metrô La Moneda e bem no coração do centro histórico de Santiago.


Palácio de La Moneda e seu espelho de água


O Palácio possui alguns períodos abertos para visitação e é necessário agendar com antecedência, mas na época que estávamos lá, não conseguimos entrar. Para solicitar a visita ao Palácio, você deve acessar o site do governo chileno e preencher o formulário de solicitação de visita no endereço http://visitasguiadas.presidencia.cl/


  • Centro Cultural La Moneda:
Aproveitamos a ida ao Palácio de La Moneda para visitar o Centro Cultural, que fica no subsolo da praça em frente ao Palácio. A entrada é feita por uma escada (ou elevador) que fica bem ao lado do espelho d'água onde tiramos a foto ali em cima.


Centro Cultural La Moneda
O Centro Cultural abriga exposições permanentes e temporárias de temas variados. Além disso, possui um espaço para as crianças brincarem e exercerem a criatividade com desenhos. A entrada no centro cultural custa 5 mil pesos chilenos para estrangeiros e você pode conferir a programação antecipadamente no site http://www.ccplm.cl/sitio/.


  • Plaza de Armas:

A Plaza de Armas é a principal praça de Santiago e é considerada o marco zero da cidade. Outrora palco de grandes manifestações e violentos confrontos no período da ditadura chilena, felizmente hoje a Plaza de Armas é mais conhecida por sua intensa vida cultural.

Ao redor da praça encontram-se muitos prédios do governo e também a Catedral de Santiago. A Plaza de Armas fica a pouco mais de 10 minutos de caminhada a partir do Palácio de La Moneda. Se preferir chegar lá usando o metrô, basta descer na estação Plaza de Armas.



  • Catedral de Santiago:

Localizada na Plaza de Armas, a Catedral de Santiago é a principal igreja da cidade e certamente merece uma visita. Construída, destruída, reconstruída e reformada várias vezes, a atual versão da Catedral mistura diferentes estilos e um interior ricamente decorado.


Catedral de Santiago

Interior da Catedral de Santiago


  • Mercado Central de Santiago:
Após visitar a Catedral, seguindo pela Calle Puente, após pouco mais de 5 minutos de caminhada você chegará ao Mercado Central de Santiago. 


Entrada do Mercado Central de Santiago

O mercado é famoso por vender frutos do mar bem frescos e é cheio de restaurantes especializados em mariscos.


Porém, o ambiente não é lá muito bonito e os garçons te chamam (enchem o saco!) o tempo todo para sentar nos restaurantes e almoçar.


Frente do Mercado Central
Resolvemos parar para comer no Donde Augusto, que é um lugar bem famoso, no centro do mercado e com muitos turistas, o que nos fez ter certeza de que caímos numa armadilha para turistas... rssss

Embora a comida realmente estivesse gostosa e o atendimento fosse bom, os preços eram bem acima da média da região. Então se estiver procurando algum restaurante mais em conta, faça como muitos chilenos e coma nos restaurantes mais próximos da saída, que são pequenos e menos atrativos para os visitantes. Pode ser uma boa opção para quem faz questão de almoçar por aqui!


  • Museu Chileno de Arte Precolombino:
Embora não sejamos "ratos de museu", visitamos o Museu de Arte Precolombino e gostamos bastante.

A menos de 10 minutos do Palácio de La Moneda e a poucos metros da Plaza de Armas, o museu possui muitas peças e artefatos de arte e da cultura dos povos pré-colombinos, ou seja, aqueles povos que habitavam a região das Américas antes da chegada de Cristóvão Colombo.

O museu é bem organizado e conta com placas de informação em espanhol e inglês, facilitando a identificação e compreensão das peças.

Há muitas peças interessantes no Museu de Arte Precolombino 

Outra coisa interessante no museu é uma linha do tempo nas paredes comparando a evolução da cultura dos povos da América com o que estava acontecendo no resto do mundo.

  • Cerro Santa Lucía:
É o cerro mais central de Santiago, fica a 2km do Palácio de La Moneda e as estações de metrô mais próximas são Santa Lucía (L1) e Bellas Artes (L5).


Entrada do Cerro Santa Lucía

A entrada é feita por um portão alto e de ferro onde duas pessoas (aparentemente policiais) solicitam que você registre seus dados em um livro de visitas, mas não nos pediram nenhum documento comprobatório. A entrada é gratuita! :)

Depois disso é se preparar para subir muuuitos degraus! A boa notícia é que no meio do caminho tem a fonte Netuno, onde você pode descansar até a atração principal: o mirante Santa Lucía.


Faça uma parada estratégica para descansar da subida!

Enquanto descansa da longa subida, aproveite para apreciar os jardins bem cuidados e a natureza ao seu redor.


Beija-Flor no Cerro Santa Lucía

Mas cuidado, não tenha expectativas muito altas (principalmente se tiver ido no Cerro San Cristóbal antes), pois o mirante é pequeno, com uma escada que mal dá para passar duas pessoas ao mesmo tempo e se não estiver com o calçado adequado, tome muito cuidado para não escorregar.

Chegando no topo do Cerro, fica difícil tirar uma foto sem muitas pessoas ao lado, mas se visitar o local no final do dia, como nós fizemos, o belo pôr do sol sobre as Cordilheiras compensa a subida.


Vista do Cerro Santa Lucía

  • Pátio Bellavista:
O Bairro de Bellavista é um dos principais redutos boêmios de Santiago, com muitos bares e restaurantes servindo diferentes tipos de comidas e bebidas para todos os gostos.

No meio do bairro está o Shopping Patio Bellavista, que na verdade é um shopping aberto com pequenas lojas, bares e restaurantes. Para quem quer um agito, o Pátio fica aberto até às 2 da manhã e conta também com música ao vivo!

  • Cerro San Cristóbal:

O Cerro San Cristóbal fica no bairro de Bellavista e abriga o Parque Metropolitano, o maior parque urbano do Chile. Você pode chegar ao topo do Cerro a pé, de bicicleta ou pegando o funicular na estação ao final da Calle Pio Nono (2 mil pesos por pessoa).


O Funicular é jeito mais fácil de acessar o topo do Cerro San Cristóbal 

Por ser um dos pontos turísticos mais visitados da cidade, você pode encontrar filas enormes para a subida pelo Funicular dependendo da época do ano e horário (a alta temporada tem essas desvantagens)! Dessa forma, tente visitar o cerro em horários alternativos ou prepare-se para perder um bom tempo!

No topo do Cerro você terá uma vista panorâmica da cidade e da Cordilheira dos Andes, mas tente subir em um dia com tempo bom para que você possa aproveitar a vista.


Vista do Cerro San Cristóbal

Além da vista panorâmica, o topo do cerro ainda conta com uma imagem da Imaculada Conceição, onde o Papa João Paulo II celebrou uma missa quando visitou a cidade.


Imagem da Imaculada Conceição

Embora o local esteja sempre repleto de turistas que aproveitam para descansar aos pés da imagem, lembre-se que este é um local de oração! :)


O cachorro estava orando ou dormindo?

Além dessas atrações, o parque metropolitano ainda tem uma capela, um zoológico, um teleférico e uma vasta área verde ideal para caminhadas e exercícios. A estação de metrô mais próxima da subida do funicular é a estação Baquedano.

  • La Chascona:
Também no bairro de Bellavista e próxima à estação do funicular de subida ao Cerro San Cristóbal, está a "La Chascona", uma das casas do poeta chileno Pablo Neruda e a única em Santiago (existem outras duas: La Sebastiana, que fica em Valparaíso e outra em Isla Negra).

O nome foi dado em homenagem à amante do poeta na época, Matilde (depois se tornou sua esposa) e significa "descabelada".

Compramos o ingresso na hora, mas tivemos que aguardar cerca de 20 minutos para entrar. A entrada custou 5 mil pesos por pessoa e a visita era feita com auxílio de um audioguia com duração de cerca de 1 hora (incluído no preço).

A casa é dividida em 3 partes, sendo a entrada, jardins e a casa principal. O trajeto é demarcado e com a indicação de números para você não se perder e seguir a linha de raciocínio indicada no tour.


  • Pueblito de los Dominicos:

O espaço simula um pequeno povoado chileno e é dedicado à venda de artesanato local onde você pode encontrar muitas peças feitas de cerâmica, lapislázuli, ferro e cobre, além de bijuterias e souvenirs.

O local fica no bairro de Las Condes e é distante dos principais pontos turísticos, mas para chegar lá basta pegar o metrô até a estação Dominicos.


E você, já conhece Santiago? O que achou? Comente aqui e conta pra gente do que você mais gostou e do que você não gostou.

Se você ainda não conhece a cidade, aproveite as nossas dicas para planejar sua viagem e não deixe de conferir os próximos posts, quando contaremos como foi nossa visita às cidade de Viña del Mar e Valparaíso, além de falar como foi nossa experiência nas estações de esqui de Valle Nevado e Farellones.

Até lá e Vamos pelo Mundo!


Booking.com

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário